do alto do morro

“Do Alto do Morro” é o nome do primeiro CD gravado em estúdio de Marquim D’ Morais, além de nomear a primeira faixa do álbum que trás uma boa perspectiva do que se pode esperar dessa obra – “O Alto do morro é o melhor lugar para estar, porque aqui é o mais perto do céu que eu consigo chegar, pisando em terra firme”. O álbum contém 10 faixas e um refinamento de arranjos e produção.
Um grande artista não necessariamente precisar conceber obras complexas para nos conquistar; por vezes, os mais simples trabalhos são os que nos chamam maior atenção. Porém, quando um artista como Marquim D’ Morais, alia simplicidade e complexidade em um mesmo trabalho e transcende os limites físicos e lúdicos, ele merece ser aplaudido de pé. Há um misto de sensações ao escutar essa obra, ao mesmo tempo que te eleva a uma reflexão social, é poético, é visceral e dialoga com a vida real, com suas origens e pertencimento.
É um CD singular e abrangente, que traz uma conjunção de ritmos variados, muita sonoridade e letras com forte complexidade social e que exploram o cotidiano das periferias e as questões sociais ali presentes. O processo de criação do álbum foi tecido com muito amor e cuidado. O artista assina a direção artística desse trabalho em consonância a uma equipe de outros grandes profissionais. É notável, pelo primor desse trabalho que há um misto de vivências, experiências, linguagens e expertises – de variados profissionais e músicos, o que culminou em um CD com alta qualidade, originalidade e musicalidade. Aliado a isso, é perceptível, nesse álbum algumas grandes referências musicais e de vida – as quais perpassam o fazer artístico de Marquim D’ Morais, tais como o rap, o soul, o reggae, o baião, o maracatu, e claro a capoeira, grande expoente da cultura brasileira!
Do Alto do Morro tem uma sonoridade impar, fruto de uma imersão profunda nas vivências e na diversidade do território em que vive o artista – O Aglomerado da Serra, berço de uma quantidade infinita de talentos e de muita luta e resistência diária – Do alto do morro eu também consigo enxergar o nascer, o pôr do sol e a lua enfeitar o meu céu” – sim há um olhar para a beleza, a cultura e a resistência presente na favela e que, são traduzidas com muita propriedade em forma de canções e muito lirismo pelo artista.
A complexidade das letras simples e marcantes, com arranjos muito bem elaborados; é um ponto alto desse trabalho, com a direção impecável de Flávio Medeiros, figura ímpar para o processo de lapidação e sonorização do CD, o que nota-se pelo requinte dos arranjos. Flávio assina a direção musical e arranjos e, foi uma parceria assertiva para o resultado final deste trabalho.
Um trabalho 100% autoral que apresenta e efetiva Marquim como um grande músico, compositor e produtor.
Cada música que compõe esse álbum é única, peculiar e foi pensada singularmente, não havendo um enquadramento ou gênero musical definido, e sim, uma mescla de sensações cunhadas a partir da pluralidade de referências e vivências. Esse álbum é um convite a quem curte boa música, e ainda é uma Ode a favela – sem romantismo, é real e intrínseca – é resultado de muito trabalho – de vida – de alma – porque o que se passa por aqui (favela) só enxerga quem quer ver e é pra cima do morro que a favela cresce, é lá de cima do morro que a gente desce – sim, desce, canta , ocupa e mostra todo o potencial é – porque no alto da favela também tem doutor” e tem poeta e grandes músicos como Marquim D’ Morais.